terça-feira, 7 de agosto de 2018

Megacerops

Créditos: Zdenek Burian.
Nome: Megacerops ("grande rosto com chifres").
Época: Eoceno.
Local: América do Norte.

 Megacerops foi um gênero de ungulado que habitou a América do Norte durante o final do período Eoceno, entre 38 e 33.9 milhões de anos atrás, e que foi descrito em 1870 por Joseph Leidy. Apesar disso, os fósseis do megacerops já eram conhecidos há muito tempo pela tribo nativo-americana dos Sioux, que chamavam este animal de "cavalo do trovão", pois acreditavam que eles, em vida, correram pelas nuvens causando raios e trovões. É interessante notar que muitos destes fósseis encontrados pelos Sioux pertenciam a manadas de megacerops que morreram devido a erupções vulcânicas nas Montanhas Rochosas.



 Fósseis desse animal já foram encontrados em vários estados americanos, como Nebraska e a Dakota do Sul. Os gêneros Brontotherium e Brontops são sinônimos do gênero Megacerops, então não é incomum encontrar locais onde ainda chamem este animal por esses nomes, apesar de ser um erro. Isso acontece pois o nome Brontotherium foi, equivocadamente, dado a um desses animais como se fossem gêneros distintos, e acabou ficando muito mais famoso. Famoso ao ponto de nomear a família destes animais: os Brontotheriidae. Essa confusão só foi desfeita muitos anos depois e, já que o nome Megacerops foi dado três anos antes, ele tinha prioridade acima do nome Brontotherium ou Brontops.

 Apesar de sua aparência sugestiva, o megacerops está mais aparentado aos cavalos do que aos rinocerontes atuais. Mesmo assim, este animal e os rinocerontes compartilhavam diversas características, como um corpo grande e robusto, a presença de chifres nasais e uma pele grossa.


Esqueleto de um megacerops montado no Museu de História Natural de Los Angeles, EUA, em 2010. (Foto: Tadashi Osborne; "TADASHI-STATION". DeviantArt)

 Era um animal grande, com o tamanho aproximado ao de um elefante africano da floresta, uma subespécie de elefante africano. Media 2.5 metros de altura (até os ombros), 5 metros de comprimento e poderia pesar até 3.3 toneladas. É provável que um animal adulto e saudável não tivesse predadores naturais. Ainda assim, os filhotes eram um presa fácil para hyaenodontes, nimravídeos (também chamados de "falsos-tigres-dentes-de-sabre") e aves carnívoras como o bathornis. Para proteger sua prole, os megacerops viviam em grandes grupos e utilizavam seus chifres e seu tamanho contra os possíveis predadores.

 Seus chifres assumiam o estranho formato de forquilha curvada para trás. Sabe-se que os machos tinham chifres maiores e, além da defesa, estas armas eram usadas em duelos interespecíficos, com membros da mesma espécie disputando território, a liderança do bando e parceiros para a reprodução. Evidências dessas lutas são as costelas quebradas por algum golpe forte encontradas em diversos fósseis. O único animal na América do Norte nesta época capaz de produzir tais ferimentos seria outro megacerops.

 Análises dos dentes, maxilar e musculatura do pescoço do megacerops sugerem que era um animal adaptado para se alimentar de folhagem baixa e não de grama. E isso pode ter sido a causa de sua extinção. No final do Eoceno, mudanças climáticas drásticas fizeram muitos bosques e matas desaparecerem e serem substituídos por grandes pastagens. Com a quantidade disponível de alimento diminuindo e a competição com outros animais melhor adaptados, os megacerops sucumbiram à inevitável extinção.


Na Cultura Popular:

  • Nos videogames, esse animal aparece sob o antigo nome de brontotherium em Jurassic World: The Game, Carnivores: Ice Age e EverQuest II. Ele também aparece sob o nome de brontops em Dino Storm. 
  • No cinema, este animal aparece algumas vezes nos filmes da franquia A Era do Gelo.
  • O animal também está presente nos livros de Dinotopia.


Galeria:


Seu tamanho avantajado fazia com que um megacerops adulto provavelmente não tivesse predadores naturais. Porém, os filhotes ainda eram alvo fácil para animais carnívoros. Para ajudar a proteger a prole, os megacerops se moviam em bandos modestos. (Créditos: Eremeeve Alexey; "Eremav". DeviantArt)


O megacerops usava seus chifres para se defender de predadores e para duelos interespecíficos. Fraturas nos esqueletos de megacerops parece indicar que estes animais brigavam por liderança do bando, território e/ou parceiros para a reprodução. (Créditos: Zoo Artistica)


Antes de serem encontrados por paleontólogos, fósseis do megacerops já eram descobertos por nativos americanos da tribo Sioux. Tais fósseis pertenciam a manadas inteiras que foram extintas por atividades vulcânicas nas Montanhas Rochosas. (Créditos: Vasily Vatagin)


Classificação Científica:

Reino: Animalia.
Filo: Chordata.
Classe: Mammalia.
Ordem: Perissodactyla.
Família:  Brontotheriidae.
Gênero:  Megacerops.
Espécies:  Megacerops coloradensis;  M. kuwagatarhinus.






Fontes:
Wikipédia
Prehistoric Wildlife
Prehistoric Fauna

Nenhum comentário:

Postar um comentário