domingo, 1 de julho de 2018

Aepycamelus

Créditos: Heinrich Harder.
Nome: Aepycamelus ("Camelo alto").
Época: Mioceno.
Local: América do Norte.

 O aepycamelus, também chamado de camelo girafa, alticamelo ou camelo de pescoço longo, foi um camelídeo que habitou a América do Norte entre 20.6 e 4.9 milhões de anos atrás, durante o período mioceno. Dez espécies desse gênero são conhecidas e seus fósseis foram encontrados por uma área bastante abrangente dos Estados Unidos, incluindo Montana, Flórida, Califórnia, Nebraska e o Colorado, além de diversos outros estados. Sua primeira descrição oficial foi feita por J. R. McDonald em 1956, mas fragmentos fósseis desse animal já eram encontrados desde 1869.


 Era um animal grande, chegando até 3 metros de altura e pesando mais de 720 kg. Tinha pernas compridas e finas e um pescoço longo que terminava em uma cabeça relativamente pequena. Herbívoro, se alimentava da vegetação alta, como fazem as girafas atuais, e deveriam viver sozinhos ou em pequenos bandos em campos próximos à matas abertas.

 Os descendentes do aepycamelus migraram da América do Norte até a Ásia, onde se espalharam e deram origem aos atuais camelos e dromedários. O aepycamelus, por não ter outros animais com quem competir em seu nicho ecológico, conseguiu sobreviver por um longo período de tempo: 15.7 milhões de anos! O camelo girafa, porém, desapareceu das Américas, assim como os outros camelos. Os únicos camelídeos ainda vivos nas Américas são as lhamas, alpacas e seus relativos.


Galeria:


Assim como as girafas atuais, o aepycamelus deveria viver
sozinho ou, pelo menos, em pequenos bandos (Créditos:
Roman Uchytel).























Classificação Científica:

 

Reino: Animalia.
Filo: Chordata.
Classe: Mammalia.
Ordem: Artiodactyla.
Família: Camelidae.
Tribo: Camelini.
Gênero:  Aepycamelus.
Espécies:  Aepycamelus giraffinus A. alexandrae A. bradyi A. elrodi A. latus A. major A. priscus A. proceras A. robustus A. stocki.



Fontes:
Wikipédia
Prehistoric Fauna
Fossilworks
Mundo Pré-Histórico
AVPH - Atlas Virtual da Pré-História

Nenhum comentário:

Postar um comentário