sábado, 10 de setembro de 2016

Fósseis revelam migração em massa de trilobitas


Trilobitas formavam filas para migração (  Blazej Blazejowski, New York Times )
 Os trilobitas foram pequenos crustáceos que habitaram o solo marinho da Terra durante a era paleozóica, tendo seu apogeu durante os períodos cambriano e ordoviciano. Essas criaturas acabaram sendo extintas no final do período permiano, 250 milhões de anos atrás. Pouco se sabia dessas pequenas criaturas. Agora, porém, uma nova descoberta pode nos ajudar a entender melhor o estilo de vida desses animais.



 O paleontólogo Blazej Blazejowski e seus colegas, trabalhavam em uma pedreira no centro da Polônia quando fizeram uma descoberta: pelo menos 80 "filas" de trilobitas, sendo que a maior delas tinha 19 animais uns atrás dos outros, datando de 365 milhões de anos.
 De acordo com Blazejowski, esse seria um indício de que esses animais realizavam migrações para outros locais. "Esses artrópodes antigos podem ter migrado periodicamente para áreas marinhas rasas para o acasalamento e desova" disse Blazejowski em email para o jornal New York Times. Assim, estes seriam o registro mais antigo de uma migração em massa de animais.
 Tendo em vista que os trilobitas eram cegos, Blazejowski propôs que esses animais seguiam uns aos outros por meio de uma trilha química, um processo chamado quimiotaxia, que pode ser vista em crustáceos de hoje em dia, como as lagostas, que também migram em forma de filas pelo leito oceânico.
 Os cientistas ainda não sabem o que acarretou a morte de todos esses trilobitas enfileirados. Segundo o grupo de pesquisa que fez a descoberta, o mais provável é que houve um aumento da quantidade de dióxido de carbono e hidrogênio que se acumularam no fundo do oceano, matando os animais por intoxicação. Com o tempo, a areia e sedimentos cobriram seus corpos, preservando os animais em um macabro retrato de "siga o líder". O estudo foi apresentado na edição de setembro da revista Paleontology.


Antiga paleoarte retratando um grupo de trilobitas ( arte de
Heinrich Harder ).



Fontes:

Nenhum comentário:

Postar um comentário