terça-feira, 16 de janeiro de 2018

Top 10 documentários sobre a vida pré-histórica!



 Olá, leitores! Hoje, venho aqui trazer mais uma matéria especial do PaleoBlog. Dessa vez, irei fazer um Top 10 melhores documentários sobre a vida pré-histórica! Desde já, porém, alerto que essa é uma lista pessoal, e não é um consenso geral. Essa é a lista dos documentários que são os melhores para MIM, então, talvez vocês não concordem com alguns programas listados. Tirando isso, espero que gostem da lista e deixem nos comentários quais seus programas preferidos, se concordam ou não com a lista e se tem algum documentário muito bom que não esteja nela. Vamos lá?

terça-feira, 9 de janeiro de 2018

Estiracossauro

Nome: Estiracossauro ("Lagarto Ouriço")
Nome Científico: Styracosaurus albertensis.
Época: Cretáceo.
Local: América do Norte.

 O estiracossauro foi um ceratopsiano que habitou a América do Norte durante o período cretáceo, há 75 milhões de anos atrás. Seus primeiros fósseis foram descobertos por Charles Mortram Sternberg no Parque Provincial dos Dinossauros em Alberta, no Canadá, em 1913, e o animal foi descrito e nomeado por Lawrence Lambe. Até hoje, acredita-se que tenham sido encontrados 100 fósseis de estiracossauro, tanto no Canadá quanto nos Estados Unidos.

sexta-feira, 5 de janeiro de 2018

Nova espécie de lagarto pré-histórico é encontrada no estômago de um dinossauro

Fóssil de Compsognathus longipes descoberto no século XIX continha os restos
de outro animal em seu estômago.

 Nessa semana, pesquisadores do Museu Americano de História Natural revelaram uma descoberta curiosa: o fóssil de uma nova espécie de lagarto pré-histórico, que estava dentro do estômago de um fóssil de dinossauro!

 Descoberto no século XIX, na Alemanha, o esqueleto pertencia a um dinossauro da espécie Compsognathus longipes, o menor dinossauro conhecido (tendo apenas 75 centímetros de comprimento), que viveu na Alemanha durante o período jurássico. Mas, só com os atuais equipamentos de pesquisa foi possível identificar que havia mais um animal em meio a esse amontoado de ossos.

 Em 2014, acreditava-se que o fóssil no estômago do dinossauro pertencia a um réptil conhecido como Bavarisaurus macrodactylus. Mas, uma olhada mais atenta e o uso de novos equipamentos revelou que o fóssil quase completo pertencia a uma até então desconhecida espécie de lagarto primitivo, que foi chamada de Schoenesmahl dyspepsia. Esse nome, de acordo com a revista Nature, pode ser traduzido livremente como "bela refeição que é difícil de digerir".

 Apesar da caçada bem sucedida do compsognathus, as coisas não acabaram bem para esse dinossauro, pois ele acabou morrendo de formas misteriosas antes mesmo de conseguir digerir o seu almoço.

O esqueleto do Schoenesmahl dyspepsia estava quase completo.




Fontes:


terça-feira, 2 de janeiro de 2018

Carnotauro

Nome: Carnotauro ("Touro Carnívoro")
Nome Científico: Carnotaurus sastrei.
Local: Argentina.
Época: Cretáceo.

 O carnotauro foi um grande dinossauro terópode que habitou a região da atual Argentina há 80 milhões de anos atrás. O único esqueleto conhecido desse animal foi descoberto em 1984 pelo paleontólogo argentino José Bonaparte, em uma fazenda chamada "Poncho Sastre". O nome específico "sastrei" foi dado em homenagem ao dono da fazenda, Angel Sastre. 
 O fóssil quase completo estava em bom estado e apresentava até mesmo restos de pele fossilizada. Apenas os pés, parte das pernas e os dois terços finais da cauda foram destruídos pelo tempo. O fóssil está exposto no Museu Argentino de Ciências Naturais, mas réplicas desse esqueleto podem ser vistos em museus do mundo todo.

sexta-feira, 22 de dezembro de 2017

Liopleurodon


Nome: Liopleurodon ("Dentes Lisos")
Época: Jurássico.
Local: Europa.

 O liopleurodon foi um grande réptil marinho que habitou os mares europeus durante o período Jurássico, entre 160 e 155 milhões de anos atrás. Era o predador marinho máximo de sua época, sendo que, provavelmente, a única criatura capaz de confrontá-lo na fase adulta seria outro liopleurodon.

sexta-feira, 8 de dezembro de 2017

Analisando o Trailer de Jurassic World: Reino Ameaçado


 Olá, dinofans! Depois de quase morrermos de ansiedade com o anúncio do trailer de Jurassic World: Reino Ameaçado, finalmente fomos recompensados! Nessa matéria, vamos analisar alguns pontos mostrados no trailer e tentar entender o que vai acontecer nesse novo filme. Mas, antes de continuarmos, assistam essa maravilha novamente:




sábado, 14 de outubro de 2017

Pycnonemossauro

Nome: Pycnonemossauro ("Lagarto da Mata Densa").
Nome Científico: Pycnonemosaurus nevesi
Época: Cretáceo.
Local: Brasil.

 O pycnonemossauro foi, por muito tempo, considerado o maior dinossauro carnívoro já descoberto no Brasil, isso até a descoberta do Oxalaia quilombensis, quando perdeu esse título. Porém, seu grande tamanho ainda lhe rende o título de maior abelissaurídeo descoberto, atingindo até 9 metros de comprimento, entre 3 e 3,5 metros de altura e pesando até duas toneladas.

 Seu nome significa "lagarto da mata densa", uma alusão ao estado brasileiro onde foram encontrados seus primeiros fósseis: Mato Grosso. Seus fósseis haviam sido encontrados na Fazenda do Roncador, no munícipio de Chapada dos Guimarães, entre 1952 e 1953, por Llewellyn Ivor Price. Porém, a espécie só foi descrita e nomeada em 2002, em um trabalho conjunto de Alexander Kellner e Diógenes Campos. Atualmente, seus fósseis fazem parte do acervo do Setor de Paleovertebrados do Departamento de Geologia e Paleontologia do Museu Nacional, UFRJ.
 Seus fósseis encontrados eram apenas fragmentos: 5 dentes, 7 vértebras caudais, a parte distal do púbis direito, a tíbia direita e a articulação distal da fíbula direita.


Fósseis encontrados do Pycnonemosaurus nevesi.

 O pycnonemossauro foi um grande predador que provavelmente caçava em bandos. Suas mandíbulas e seus dentes eram perfeitos para agarrar, sacudir e rasgar suas presas. Ele caçava animais muito maiores, e suas presas favoritas eram os saurópodes do grupo dos titanossaurídeos, como o maxakalissauro e o trigonossauro, grupo muito abundante na América do Sul no final do período cretáceo. Para caçar, o pycnonemossauro provavelmente utilizava-se de emboscadas e trabalho em equipe para derrubar esses gigantescos animais.






Fontes: