sábado, 14 de outubro de 2017

Pycnonemossauro

Nome: Pycnonemossauro ("Lagarto da Mata Densa").
Nome Científico: Pycnonemosaurus nevesi
Época: Cretáceo.
Local: Brasil.

 O pycnonemossauro foi, por muito tempo, considerado o maior dinossauro carnívoro já descoberto no Brasil, isso até a descoberta do Oxalaia quilombensis, quando perdeu esse título. Porém, seu grande tamanho ainda lhe rende o título de maior abelissaurídeo descoberto, atingindo até 9 metros de comprimento, entre 3 e 3,5 metros de altura e pesando até duas toneladas.

 Seu nome significa "lagarto da mata densa", uma alusão ao estado brasileiro onde foram encontrados seus primeiros fósseis: Mato Grosso. Seus fósseis haviam sido encontrados na Fazenda do Roncador, no munícipio de Chapada dos Guimarães, entre 1952 e 1953, por Llewellyn Ivor Price. Porém, a espécie só foi descrita e nomeada em 2002, em um trabalho conjunto de Alexander Kellner e Diógenes Campos. Atualmente, seus fósseis fazem parte do acervo do Setor de Paleovertebrados do Departamento de Geologia e Paleontologia do Museu Nacional, UFRJ.
 Seus fósseis encontrados eram apenas fragmentos: 5 dentes, 7 vértebras caudais, a parte distal do púbis direito, a tíbia direita e a articulação distal da fíbula direita.


Fósseis encontrados do Pycnonemosaurus nevesi.

 O pycnonemossauro foi um grande predador que provavelmente caçava em bandos. Suas mandíbulas e seus dentes eram perfeitos para agarrar, sacudir e rasgar suas presas. Ele caçava animais muito maiores, e suas presas favoritas eram os saurópodes do grupo dos titanossaurídeos, como o maxakalissauro e o trigonossauro, grupo muito abundante na América do Sul no final do período cretáceo. Para caçar, o pycnonemossauro provavelmente utilizava-se de emboscadas e trabalho em equipe para derrubar esses gigantescos animais.






Fontes:


terça-feira, 26 de setembro de 2017

Fóssil de nova espécie de réptil marinho é descoberto na Alemanha

Reconstrução do Arminisaurus schuberti em
vida.
 Em 1980, cientistas encontraram fósseis de uma criatura desconhecida no fundo de um poço de argila da cidade Bielefeld, na Alemanha. Mas foi só em 2017 que uma equipe de paleontólogos alemães e suecos conseguiram decifrar a que criatura pertenciam esses fósseis.
 O animal foi chamado de Arminisaurus schuberti, e ele foi um réptil marinho da ordem dos plesiosaurus. Essa criatura habitou os mares jurássicos há 190 milhões de anos atrás, onde deveria se alimentar de peixes e moluscos. Ele também possuía semelhanças com o grupo dos pliosaurus, um grupo que só surgiria 50 milhões de anos depois, no perídoo cretáceo. Apesar disso, era relativamente pequeno, medindo "apenas" entre 3 e 4 metros de comprimento.

 Seus fósseis estavam incompletos, com apenas 40% do esqueleto tendo sido encontrado pelos paleontólogos. Por isso, é difícil estipular, por exemplo, o tamanho real do pescoço do animal, mas acredita-se que ele deveria ter sido bem comprido, devido ao número de vértebras encontradas e da comparação com outras espécies da mesma família. Maior parte dos ossos haviam sido danificados pelas máquinas de escavação que atuavam na mina da região.
 O estudo foi publicado na revista científica Alcheringa em 19/09/2017, por Benjamin Kear, paleontólogo autor do estudo e curador do Museu da Evolução da Universidade de Uppsala, Alemanha. De acordo com ele: "O Arminisaurus é significativo porque data de um período inicial do jurássico, do qual temos poucos fósseis de plesiossauros identificáveis. Somente dois outros fósseis já foram nomeados dentro desse misterioso intervalo na evolução plesiossauriana, tornando o Arminisaurus uma nova e muito importante peça para o registro global do grupo."



Ossos encontrados do Arminisaurus schuberti.


Fontes: 

domingo, 3 de setembro de 2017

Pteranodon

Nome: Pteranodon (asa sem dentes).
Nome Científico: Pteranodon longiceps.
Época: Cretáceo.
Local: América do Norte.

 O pteranodon é um dos mais famosos pterossauros, e foi também um dos maiores que já existiram, com cerca de 3 metros de altura e 7,5 metros da ponta de uma asa até a outra. Ele habitou praticamente toda a América do Norte no final do período cretáceo.

domingo, 20 de agosto de 2017

Jogo Jurassic World Evolution é anunciado!


 Hoje (20/08/2017) a Microsoft anunciou o jogo Jurassic World Evolution para o Xbox One, PlayStation 4 e PC! No jogo, você deverá construir seu próprio parque de dinossauros, fazendo com que ele seja um sucesso e tendo que lidar com todas as adversidades de administrar um parque como esse.

 O jogo aparenta ser um sucessor espiritual de Jurassic Park: Operation Genesis (saiba mais sobre na análise dele aqui), um jogo que marcou uma geração e tinha objetivos semelhantes. Apesar de não termos uma data de lançamento, foi dito que o jogo irá sair no início de 2018.

 O incrível trailer de anúncio já mostra uma das situações que teremos que lidar no jogo: a fuga dos dinossauros, nesse caso, a fuga do temido tiranossauro rex! Assista:





 E então, animados com esse lançamento? Nós aqui estamos muito ansiosos!


Fonte: Jovem Nerd

terça-feira, 15 de agosto de 2017

"Os Cavaleiros dos Dinossauros" estão chegando!


 Hoje (15/08/2017) a editora DarkSide Books anunciou a chegada do livro Os Cavaleiros de Dinossauros ao Brasil! O livro é a continuação do excelente Os Senhores dos Dinossauros lançado no ano passado (inclusive, fizemos a resenha dele e você pode conferir ela aqui), e já traz consigo sua sinopse: 

"Karyl Bogomirsky é um cavaleiro que optou por reunir aqueles que buscam uma saída para a jornada de guerra e loucura. Mas o Império da Nuevaropa anunciou uma cruzada religiosa contra este reino pacífico e as pessoas que desejam viver em paz. Todos devem ser convertidos ou destruídos.
 As coisas realmente desandam quando os temidos Anjos Cinzas, antiquadas armas dos deuses que criaram o Paraíso, surgem em cena após quase um milênio. Todos achavam que se tratavam de fábulas para assustar crianças. Mas eles são muito reais. E vieram para livrar o mundo do pecado... incluindo todos os humanos que manifestaram esses vícios."

 O livro foi escrito por Victor Milán e é o segundo de uma trilogia. Seu lançamento está previsto para setembro e já se encontra em pré-venda. E aí, todos ansiosos como a gente? para mais informações, clique aqui

segunda-feira, 19 de junho de 2017

Braquiossauro

Nome: Braquiossauro (Lagarto com braços)
Nome Científico: Brachiosaurus altithorax
Época: Jurássico
Local: América do Norte

 Os primeiros fósseis de braquiossauro foram encontrados no Colorado, EUA, em 1900. De lá para cá, esqueletos desses saurópodes foram descobertos em diversos locais da América do Norte. Fósseis semelhantes foram encontrados na Argélia e na Tunísia, na África, mas logo foi constatado que esses fósseis pertenciam a um parente do braquiossauro, o Giraffatitan brancai
 Seu nome significa "lagarto com braços" porque suas patas dianteiras eram mais compridas que as traseiras. Por muito tempo, houve um mito que o braquiossauro podia ficar em pé nas patas traseiras para alcançar a copa das árvores mais altas. Hoje sabemos que isso não seria necessário, pois seu pescoço era comprido o suficiente para alcançar o topo das árvores.

terça-feira, 6 de junho de 2017

Encontrado fóssil completo de nova espécie de dinossauro no Japão

Fósseis do esqueleto do Mukawaryu que foram limpos até agora.
(clique na imagem para ampliar).

 O Japão anunciou hoje (06/06/2017) a descoberta do fóssil de dinossauro mais completo já encontrado no país até hoje.

 Desde 2013, a escavação de um fóssil completo de dinossauro está em andamento no Japão. Os fósseis foram encontrados em um estrato marinho próximo ao distrito de Hobetsu, na cidade de Mukawa. É o terceiro fóssil completo de um hadrossaurídeo descoberto no mundo em um estrato marinho, e em tão bom estado de preservação. É o maior fóssil completo já encontrado no país.
 O animal, que foi nomeado como Mukawaryu (Dragão de Mukawa), foi um hadrossaurídeo sem crista que chegava até os 8 metros de comprimento e habitou o Japão durante o período Cretáceo. É o segundo fóssil de dinossauro completo descoberto no Japão desde o Fukuivenator, um pequeno dinossauro carnívoro de 2,5 metros de comprimento.
 As pesquisas com o fóssil continuam no Museu Hobetsu e os novos estudos devem trazer uma luz sobre como essa espécie se parecia e se comportava.